mulher pensadora

Desde que comecei o projeto piloto da Travessia, tenho vivido tão intensamente e tão criativamente que perdi a noção do tempo.

E tenho criado tanto que falar sobre a Mulher Pensadora é uma ótima oportunidade para refletir um pouco e escrever sobre um tema que tem sido recorrente pelas bandas de cá: Criatividade x Realidade.

E o que fazer quando a realidade não é exatamente do jeito que gostaríamos?

A minha resposta é:

Primeiro, tentamos entender o que precisamos aprender com esse momento na vida. E logo em seguida começamos a imaginar a realidade que gostaríamos de ter.

Não, eu não sou a pessoa que acha que o mundo vai ser transformado pela força do meu pensamento. Mas tenho certeza que o meu estado de espírito pode ser drasticamente modificado sim, quando faço algumas escolhas.

E para mim esse é o grande ensinamento da Mulher Pensadora.

Com ela podemos entender que a tal verdade pode não ser assim tão verdadeira. Porque é apenas a nossa verdade. E uma verdade assim bem subjetiva, né?! Porque é regada com todo o caldo dos sentimentos e emoções que estão associados a uma pessoa ou situação.

Fiquei muito abstrata?! Vou tentar explicar de outro jeito.

Todas as pessoas no mundo, e quase todos os animais também, nasceram de uma mãe, certo?! Isso é um fato. Irrefutável. Objetivo. Logo, todas nós temos mães.

No entanto a nossa experiência com nossas mães tem qualidades, nuances e formas muito diversas. A experiência que temos com as nossas mães é única, pessoal e intransferível.

Acontece que tendemos a sair generalizando essa experiência porque essa é a nossa verdade. E é aí que perdemos a nossa capacidade criativa. Porque esquecemos que existem muitos outros pontos de vista, e assim todas as possibilidades de transformar a nossa realidade caem por terra.

Mas a Mulher Pensadora vem ao nosso auxílio nos mostrando que podemos tirar o filtro com que olhamos os eventos da nossa vida para enxergarmos mais possibilidades e assim termos mais liberdade.

Imagine pensar em relacionamentos afetivos, em escolhas de carreira, em mudanças alimentares sob a ótica da Mulher Pensadora. Será que podemos ser mais criativas?!

Conta pra mim o que você pensa sobre isso!14

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *